Blog da Regina Guerreiro

02/07/2010

Por falar em Passione...

 
 

Por falar em Passione...

 

 

Não sou muito de novela, mas... entrei com tudo em Passione do Silvio de Abreu.  E - quem diria! - eu, bem eu, que acho quase sempre duvidosos esses figurinos "novelescos", me espanto & me encanto, com o visual dos personagens, pertinentes/impertinentes/inteligentes/bem feitos.

Pessoas contraditórias que vivem em planetas diferentes, quentes/frios, ricos/pobres, tôscos/sofisticados, entram em cena. E cada uma parece "de verdade", ela mesma, (feirante, camponesa, madame jet-set etcetc...) e não mais uma  "humanóide encadernada".Dificil conseguir isso,  até na vida real quanto mais em personagens, sejam de teatro, de cinema (ai, que saudade da Edith Head...), ou de telenovelas. É preciso talento, ôlho atento,  sensibilidade para - pouco a pouco -desenhar o perfil da alma e do corpo de cada personagem, quem ele é, onde e quando ele vive, cada detalhe, cada reação, cada gesto.

Gogoya e Rosana conseguiram! O figurino de Passione "transborda", sabe como? Eu "transbordei!

 

 

Fernanda Montenegro (Beth) dá show de chiqueria: coat super tailored, maxi-cachecol lindamente colocado, calças molengas, bijoux discretos e acessórios classudos, sem a menor peruice. A coleção de óculos escuros é de "morrer" de inveja...Ui!

 

Aracy Balabanian (Gemma) é a própria italianona tosca, "campesina" meio carola/ beata. Seu casaco - mal feito - é obra da costureira do vilarejo, o cardigan rústico foi tricotado por uma vizinha, as estampas das écharpes, cópias baratas dos antigos prints do Lago di Como e as camisas compradas no marché local. Não podia ser mais perfeito.

 

Mariana Ximenes (Clara)  abafa como garota de programa, vulgar até não poder mais. Tecidos brilhosos, decotes avançados, jeans colados, bijouteria "roubada"? Como enfermeira vira anjo branco, uniforme extra-clean, carinha de santa do pau ôco.

 

Cleyde Yáconis (Dona Brigida), milionária de época, acredita com força no seu casaqueto Chanel e no tempo da mis-en-plis, lembra? Os cabelos ficavam estufadinhos, durinhos e...  inabaláveis! Força na peruca, queridinha. E no laquê!

 Mayana Moura (Melina), patricinha crônica, chega bancando a estilista,  profissão típica de riquinha desocupada.Lindalindalinda, "carrega" como ninguém tanto modelitos sofisticados, nervurados, "fitilhados", quanto fazendo  clima esportivo (lembra daquela cena no parque??). Luxo e mais luxo, always.

 

Vera Holtz (Candê), prontinha para vender suas verduras fresquissímas, "acabaram de chegar". O figurino-feirante arrasa. Vestidos de jérsei, estampas horrorosas, lembram as da Vigotex, anos 70, que - aliás - eram consideradas "líndimas" naquela época. Jaléco branco, com nome bordado e tudo, colarzinho-falsinho prendendo os óculos, corrente de medalhinha, tudo nos "trinques" da Candê. Sem falar na bolsa fuleira, alça de  bambú, florões recheados. Figurino impecável. Abalou! 

 

 

 

 

Categoria: BOMBOM

Por Regina Guerreiro às 18h13

Flower Birthday

 
 

Flower Birthday

Uláulá!O champanhe não veio, mas as flores chegaram feéricas. Então, - por que não? - meus baldes (lindos! ainda que vazios), entram em cena. Floridíssimos. Perfumadíssimos. Crocantes de tanta flor. Foi um porre inesquecível. Baldes e mais baldes de Veuve Clicquot extra brut,  Mercier rosé,  sem falar do meu Alessia italiano, ou do meu Aluminium incrível, reedição dos anos 20/30. 

 


Categoria: ÔBAÔBA!

Por Regina Guerreiro às 16h37

Caveiras não mordem!!!

 
 

Caveiras não mordem!!!

 

 

Esqueletos e caveiras sacudiram o mundo (provisório) dos vivos em Paris. "C'est la vie" foi a exposição que - entre pinturas, esculturas, jóias e objetos (de Caravaggio à Damien Hirst) - tratou de lembrar a fugacidade dos nossos dias. Horror and Beauty nas imagens realistas,  ainda que macabras, "conversam" um diálogo amargo com a decadência. Vaidade vira absurdo e o poder humano uma obsessão grotesca. Côroa pra que? (atelier Codognato). Entre ironias divertidas como a caveira do Mickey (Nicolas Rubstein), prazeres banais (coma a maçã enquanto der tempo...(Dimitri Tsykalov) ou vícios fatais (grito de alerta da  caveira tabagista de Vincent Van Gogh) e as gargalhadas estridentes de Damien Hirst e sua famosérrima caveira de diamantes  ("Pelo amor de Deus-  morra de rir"), o humor negro de"song and dance" (foto de Mark Tompkins).


 

 

A moda e vida morrem rapidinho. Ou não morrem, se transformam em outra coisa. Fascina, por isso mesmo.

Aqui entre nós (Brasiiil), a caveira ficou sendo a "marca" registrada do estilista Alexandre Herchcovitch desde 1988 quando silkou a dita-cuja numa camiseta histórica. E o "skull make" de Celso Kamura, encantou & assustou  todo mundo na coleção alexandrina masculina inverno 2010.Enquanto isso, caveiras urbanas povoam os túneis da cidade. Alexandre Orion, raspa corajosamente a fuligem acumulada e reinventa a linguagem grafiteira. UI!                                                                                             Minha caveira preferida? Simplesinha...Apenas o  pedentif de diamantes (Cartier - 1920). Em que gaveta será que  ela está enterrada??


 

 

 

Categoria: CABECICE

Por Regina Guerreiro às 16h25

Robôs caem na vida...

 
 

Robôs caem na vida...

 

 

Sinal dos tempos: robôs viram objetos cirúrgicos, literatura, esculturas "pós-pós-pós" modernas, brinquedos sofisticados e...uiuiui! modelitos futuristas.


Gloria Coelho dá show de robótica-fashion . Seu verão 2011, chega "engradado". Os telados transparentes (elastoméricos), foram listrados ou quadriculados com fitas de cetim cor de pele, cor de prata. O robô de organza de seda pura, (encaixes e desencaixes incriveis),  estremece a cada passo, flutua até,  no melhor estilo Moon Walk de  Michael Jackson. Quanto aos coletes de couro são austronáuticos(a Nasa tem que ver, tem que comprar!). Só as sandálias ficam para andar em terra firme. Os austronautas - coitadinhos - tropeçariam... 

 

Marcio Madeira

 

Troyart

 

Marcio Madeira

 

 

Enquanto isso, robôs gigantescos (1,90 m de altura) são as esculturas mais revolucionárias que já vi.  O visú é retrô-futurista.  Retrô porque - de certa forma - lembra a magia da jukebox de 1920. Ao mesmo tempo, completamente futurista porque o designer de vanguarda, inaugura uma linguagem estética para a chamada "obra de arte". Roberto Stelzer Nelson Schiezari, artistas plásticos entre mil e outros talentos, são os autores desse robôs "do outro "mundo", feitos de acrílico e montados apenas através de encaixes. Paul Smith (estilista inglês very important) já comprou o seu (que inveja!), muito provavelmente naquela loja do Moma (NY), que eu adoro!


www.troyart.com


 

 

 

 

Categoria: CABECICE

Por Regina Guerreiro às 16h03

01/07/2010

Entre cores e humores

 
 

Entre cores e humores

 

 

Noite e dia,brigo pela cor. E assim que vacilo,socorro!,meu spray evapora e a vida vira instantaneamente um filme    insuportável,melancólico,esquinas e mais esquinas cinzentas,rabugentas. Ruas difíceis de atravessar,impossíveis mesmo eu diria,não         fosse eu sacudir minha neblina,e me jurar que do outro lado do muro,tem um tonel de cores me esperando,me                                                                                               recolorindo,redimindo,salvando... ( Regina Guerreiro - 1984)                         

 

                                              

                                      
                                                              Priscila Darolt verão 2011

 

 

 

Categoria: REPRISE

Por Regina Guerreiro às 16h37

Emboneque-se!

 
 

Emboneque-se!

 

 

 

Toy - Art, that's it. Bonecos e bonequinhas de pano, "bebês" recem nascidos das  mãos talentosas de Josmar Madureira , definitivamente irresistíveis. Não brinco com eles, coleciono e - quer saber? - sem querer concorrer com o Josmar, montei uma "quasequase"  galeria  de arte just wonderful. Tem o Chapeleiro Maluco (Johny Deep) abalando forte, tem Twiggy (A inesquecível!) de mini, claro, no melhor estilo saudade dos anos 60, tem o Karl Lagarfeld, o estilista mais bem pago do mundo (mega-ego-fashion), tem Amy Winehouse, "montadíssima, tatuada, make Maria Callas" em um desses raros momentos "lucidez".  Se liga!

(www.katkiller.com.br)

 

 

Categoria: BOMBOM

Por Regina Guerreiro às 10h46

Troca-Troca

 
 

Troca-Troca

 

 

Alô, alô,  queridinha. Abra o olho,  porque...viu só? Nem tudo que é fashion vem de lá pra cá. Também tem grandes sacadas que vão de cá pra lá!!! Arrasou, Ronaldo. 


 

 

 


 

 

Categoria: REPRISE

Por Regina Guerreiro às 10h29

29/06/2010

Visões & Emoções

 
 

Visões & Emoções

 

Pintura: Valdemar Kazak 

 

 

Categoria: CABECICE

Por Regina Guerreiro às 14h06

Bola Fora

 
 

Bola Fora

 

Foto: internet


 

O coitadinho do Dunga, como top model, só levou alfinetadas. E o  Tutty Vasques (estadão.com.br) não deixa por menos. Virou comentarista de moda e atacou mesmo com essa notinha pertinente (ou impertinente?). "De Giorgio Armani, solidário com Alexandre Herchcovitch: 'O Dunga é a derrota do estilista'. A filhota dele, pseudo-estilista do papai querido (estilismo definitivamente é a profissão que mais chuta no Brasil), deve estar furiosa. Sem razão, diga-se "en passant".


 

 

Categoria: VENENO

Por Regina Guerreiro às 12h01

Relógio Mágico

 
 

Relógio Mágico

 

 

Beijo na boca?? Então, a hora é essa. Tomara, mas tomara mesmo, que você esteja usando a pulseira-relógio do Ronaldo Fraga, bordada, travada, programada para "explodir" exatamente "no ato", no melhor estilo "pare agora". Beijou? Parou! O mundo pode acabar (Nostradamus bem que disse/predisse), mas você - ulálá - vai estar vivíssima,  não na terra do nunca, mas na terra do sempre. 


 

 

Categoria: BOMBOM

Por Regina Guerreiro às 11h28

My bio

"As pessoas perguntam minha idade. Bobinhas... Elas não sabem que eu sou eterna?" [Regina Guerreiro]

Histórico

© 1996-2010 UOL - O melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.
Hospedagem: UOL Host